segunda-feira, 26 de setembro de 2011

RELATO DO PARTO DE CAIO - PARTE 3

[continuando...]

As vésperas

Passei a 38ª semana praticamente toda na rua, dirigindo pra lá e pra cá, andando pra baixo e pra cima atrás de tudo que faltava para completar enxoval, quartinho e cia. Na sexta feira (dia 04/04), estava no trânsito quando senti umas contrações um pouco mais doloridas, mas nada que me chamasse muito a atenção (afinal, eu já vinha sentindo contrações há pelo menos umas 3 ou 4 semanas e, desde o descolamento de membranas, elas eram levemente doloridinhas). Ao longo desse dia tive mais algumas pontadas dessas, mas nem tchuns.

Minha irmã e meu cunhado tinham acabado de voltar de uma viagem para Índia, e estariam em Araraquara no sábado (05/04), para encontrar todos e mostrar as fotos. Eu queria muito ir, mas Dani estava fazendo o maior terrorismo, dizendo que eu não deveria ir, pois, caso eu entrasse em TP, o fato de estar lá melaria nossos planos. Ele inclusive decidiu que não ia de jeito nenhum, pra ver se me fazia mudar de ideia.

Fiquei triste e puta com essa atitude dele, e resolvi ligar para a Vânia antes de decidir o que fazer. Lembro perfeitamente do que ela disse: “Seu parto pode demorar ainda até mais quatro semanas. Prepare-se para isso, pois se você ficar achando que o bebê pode nascer a qualquer momento, você vai ficar muito ansiosa. Vai tranquila!” Na hora liguei para o meu pai e ele topou vir me buscar e me trazer de volta à noite. Na viagem de ida, senti umas contrações bem fortinhas, mas fiquei na minha. Chegando na casa dos meus pais, mais uma contração e fui direto pro banheiro, levar um papo com o bebê: “filhote, pelo amor de Deus, não vai resolver nascer hoje, espera a mamãe voltar pra São Carlos!” Rá!

Parece que ele me ouviu, e o resto do tempo fiquei super bem, sem contrações. Pude curtir a festinha, conversar com pessoas queridas, curtir minhas irmãs, ver as fotos. Uma grande amiga da família, Tia Sandra, me disse algo que nunca esqueci: “Thaís, você vai saber quando chegar o dia, a gente acorda se sentindo tão estranha...”

Na volta para casa, mais algumas contrações daquelas. Mas cheguei em casa sã e salva, e fui direto dormir.            

A chegada - a experiência mais incrível de nossas vidas

No domingo, dia 06 de abril, eu acordei me sentindo estranha... Mas faltavam ainda dez dias para a data prevista para o parto, então nem associei aquilo com o que tinha ouvido da Tia Sandra no dia anterior. Achei que era mais um dos “surtos” emotivos que tive ao longo de toda a gravidez, e não dei muita bola. Na verdade, eu estava com “faniquito” de arrumação, comecei a arrumar a casa inteira, que estava uma zona, resolvi lavar TODAS as roupinhas do Caio de uma vez, e enquanto eu fazia tudo isso, resmungava para o Dani que a nossa casa estava um horror, que dizem que um bebê só vem ao mundo quando o ninho está pronto, e o nosso ninho estava uma bagunça, que o Caio poderia nascer a qualquer momento, e olha só como ia estar a casa, imagina se ele resolvesse nascer hoje, não ia ter condição nenhuma, e bláblábláblá....... E, além de arrumar e reclamar, eu também chorava entre uma coisa e outra!

O Dani não acreditava, ele não estava entendendo nada: no início, tentou me acalmar, aos poucos foi perdendo a paciência e, de repente, explodiu: “mas o que tá acontecendo com você, tá parecendo uma criancinha, não tô te entendendo!” E eu chorava mais ainda, e dizia pra ele que alguns psicólogos diziam que as mulheres se infantilizam no final da gravidez, como uma reação ao medo da transformação em mães, e bláblábláblá..... e mais chororô. Uma coisa.

No fim desse louco dia, minha irmã (a que tinha voltado da Índia) passou aqui na volta de Araraquara para São Paulo, para ver o quartinho do bebê e conversar mais conosco, já que no dia anterior quase não tínhamos conversado. Aí resolvi contar para ela nossa decisão pelo parto domiciliar, senti que ela me apoiaria, e eu precisava muito falar sobre isso com alguém de confiança, foi muito difícil guardar essa decisão só para nós. Ela disse que queria participar do parto, que poderia fotografar, que a gente avisasse ela quando sentíssemos que seria o dia que ela viria de São Paulo para cá. Ficamos de conversar (pois não queríamos muita gente em casa no dia do parto, e já tínhamos conversado sobre a possibilidade da Rosa, prima do Dani, que estava fazendo curso de doula, acompanhar e registrar o parto). Umas 19:30hs ela foi embora, tive mais uma explosão de choro, eu e Dani conversamos profundamente, eu me acalmei e resolvemos fazer nosso plano de parto.

Estávamos sentados no chão da sala, lendo vários planos de parto e identificando aqueles que poderiam nos auxiliar a escrever o nosso, quando comecei a sentir umas contrações diferentes. Eram umas 21:30hs. Naquela intensidade que havia sido o meu dia, eu não havia sentido nenhuma contração. Mas agora que eu tinha parado, relaxado, elas vinham, e vinham fortes, mais fortes que todas que eu já tinha sentido até ali. E vinham com mais frequência, mais perto umas das outras... Nos olhamos, apreensivos e com um sorriso nervoso, mas sem afobação, e decidimos marcar o intervalo das contrações. Eu falava e Dani marcava. Os intervalos não eram muito regulares, o que nos tranquilizou um pouco: ora vinham de 15 em 15, de 7 em 7, de 10 em 10... Ficamos mais um pouco lendo os relatos, mas logo caímos na real: talvez o parto acontecesse logo, não ia adiantar nada fazer um plano de parto àquela altura!!

Dani sugeriu que fôssemos descansar, porque se o trabalho de parto engrenasse, o dia seguinte poderia ser longo (imaginávamos um trabalho de parto de, no mínimo, 12 horas, de acordo com os relatos e experiências que conhecíamos). Ele foi deitar por volta de umas 23hs e eu fiquei na sala lendo, estava meio ansiosa, não ia conseguir dormir... Estava lendo justamente o livro “Nascer Sorrindo”, do Leboyer, e as contrações começaram a ficar mais próximas... Resolvi deitar e descansar, Dani estava certo, eu precisava estar bem disposta caso o parto realmente fosse acontecer no dia seguinte. Me troquei, deitei na cama, de lado, não conseguia ficar, de costas, também não... resolvi ler mais um pouco, na cama mesmo.

As contrações foram se intensificando, comecei a marcar o tempo silenciosamente, pra não acordar o Dani, e percebi que elas já estavam regulares, de 7 em 7 minutos... “Dani, você tá acordado? Eu tô  achando que vai ser hoje mesmo, as contrações estão mais regulares...” E, ele: “então apaga a luz, vamos descansar, deita aqui”... Obedeci e, na primeira virada que dei para me ajeitar na cama, veio uma contração bem intensa, senti um movimento bem forte do bebê, e uma água escorreu nas minhas pernas: “Dani, acho que a bolsa estourou, agora não tem mais volta!” Eram 00:30hs. Rimos, eu me levantei e fui ao banheiro, pingando líquido amniótico pela casa inteira! Lá ainda escorreu mais um pouco de líquido, me limpei, me troquei e decidimos ligar para a doula, Vânia.

Ela atendeu super rápido, parecia que estava esperando nossa ligação. Não tínhamos certeza se já era hora dela vir, mas depois de fazer umas perguntas, ela mesma concluiu que era hora de vir, me lembro exatamente de suas palavras: “se vocês estão tranquilos, daqui uns 40 min no máximo estou aí. E vamos trabalhar!”

Depois disso, minha lembrança é toda feita de flashes, não tenho muita noção do tempo que as coisas levaram para acontecer, nem da sequência exata entre elas... Vou relatar conforme as coisas me vêm à lembrança, e espero contar com a ajuda do maridão para completar esse relato...

Lembro que troquei de roupa umas duas vezes antes da Vânia chegar, por conta do líquido amniótico que não parava de escorrer, e também porque queria encontrar uma roupa na qual me sentisse confortável, e estava um pouco frio. Fiquei andando pela casa, me movimentando, sem pensar em nada, apenas procurando encontrar posições nas quais eu me sentisse confortável. Sentei na bola (que a Vânia já tinha me emprestado há algum tempo), e fiquei rebolando bastante, tentei realizar algumas posições da yoga, mas somente a posição do gato (apoiada de quatro no chão, movimentando o quadril em vários sentidos) me aliviava um pouco: a coisa começava a ficar poderosa, já não havia muito mais o que fazer para amenizar as fortes contrações que ficavam cada vez mais próximas.

A Vânia chegou mais ou menos nessa fase, eu estava na sala, sentada na bola, conversamos um pouco sobre como eu estava, e logo mais uma forte contração na qual saiu grande quantidade de líquido amniótico. Fui novamente me trocar, Dani ficou limpando a sala, e Vânia foi “se instalando” na casa, trouxe um cd bem bacana de músicas instrumentais (que depois eu vim saber que tinham como tema a “Água”) que colocamos para tocar no escritório, começou a me fazer umas massagens na lombar... 

contração
a única foto do início da  fase ativa do TP...
Lembrei da máquina fotográfica, Dani tirou uma foto e a bateria acabou: não acreditei! Essa era apenas mais uma das coisas que estavam despreparadas, já que não tínhamos imaginado que nosso meninão resolveria nascer mais de uma semana antes da data prevista... a máquina descarregada, quase não tínhamos comida em casa (eu ia fazer supermercado no dia seguinte, tinha planejado que queria canja e sorvete para o dia do parto! Acabou ficando para o dia seguinte!), as roupinhas do bebê TODAS molhadas... Mas fomos nos virando: botamos a máquina para carregar, Dani me preparou um chá com torradas e mel para me dar mais energia. Tentei comer entre as contrações, mas as ondas ficavam cada vez mais fortes, e eu mal conseguia mastigar.

Enquanto eu tentava comer, decidimos, com Vânia, que já era hora de ligar para a Jamile. Eu andava pela cozinha, Dani me apoiava e massageava durante as contrações e Vânia ligava para ela. Primeira tentativa, no celular, ninguém atendeu. Nova tentativa no celular, e nada. Decidimos tentar na casa, pois era de madrugada, o celular poderia estar desligado... Nada. Comecei a ficar um pouco aflita, pois as contrações apertavam, mas elas me absorviam tanto, e Vânia me passou tanta segurança, que abstrai. Deixei nas mãos dela e do Dani essa preocupação, e continuei me movimentando pela casa, andando e rebolando nos intervalos, e parando, me apoiando, e por vezes me acocorando durante as contrações. Enfim, depois de uma idéia de gênio da Vânia, conseguimos nos comunicar com Jamile: a Vânia ligou na maternidade cheia de lábia para tentar conseguir o número do celular do marido da Jamile, que é médico, e as atendentes não deram, é claro. Mas pouco depois o telefone de casa tocou, elas tinham ligado para ele e Jamile logo imaginou que éramos nós: ufa, senti um alívio incrível ao saber que Jamile estava a caminho, as contrações já estavam bastante incômodas, e eu queria entrar na água... Não daria tempo da Jamile montar a banheira, mas para mim, naquele momento, o chuveiro estava ótimo!!!

Perguntei para a Vânia se já podia entrar (porque sabia que, entrando na água no momento errado, o TP poderia estacionar) e ela liberou. Lembro também de ter perguntado se ela achava que até a hora do almoço o bebê já teria nascido, e ela disse, confiante: Antes de nascer o dia já vai ter bebê nessa casa! Eu e Dani nos olhamos estarrecidos e felizes, animados com a possibilidade de logo ter nosso bebê nos braços. Foi um estímulo e tanto, dado na hora certa, e totalmente verdadeiro! Por essas e outras a doula foi tão tão tão importante no nosso parto.

Que delícia foi entrar no chuveiro, pedi para o Dani entrar comigo, ele e Vânia prepararam tudo no banheiro, levaram o som, reduziram as luzes, trouxeram a bola, e ele ficou comigo dentro do box, me dando todo o apoio físico e emocional que eu tanto precisava. Relaxei muito no chuveiro, com o apoio do Dani e as massagens da Vânia, embora as contrações só aumentassem de intensidade e reduzissem os intervalos... Mas era exatamente como eu tinha lido em tantos relatos, a natureza é tão sábia que os intervalos tinham a função perfeita de me reestabelecer e me relaxar para a próxima contração, que vinha sempre mais forte que a anterior... Eu relaxava muito, muito mesmo entre uma contração e outra. (Na realidade, intuitivamente acho que eu sabia que teria meu filho debaixo do chuveiro: durante toda a gravidez foi o lugar onde eu mais conseguia relaxar, onde eu mais conversava com o “meninão” - como eu costumava chamar o Caio, já que ele não tinha nome ainda... -, onde mais eu me conectava comigo mesma e com ele, onde mais eu ficava projetando como seria o momento do parto...)

mãos de fada
água e massagem da doula, substitutos da anestesia
A partir de agora, me lembro menos ainda, eu já estava pra lá de Bagdá, acho que estava na Partolândia, como costumavam brincar nas listas de discussão... A Jamile chegou, acho que a Vânia que a recebeu, me lembro dela ter conversado comigo do seu jeito sempre doce, perguntou como eu estava me sentindo, e já foi preparando tudo no banheiro para iniciar sua atuação, e colocou a banqueta de cócoras dentro do box para o caso de eu querer usá-la. Ela logo auscultou o bebê, lembro que nessa hora fiquei um pouco tensa, pois ela ficou um tempo auscultando sem comentar nada, mas estava tudo ótimo. Ela também achou necessário fazer um exame de toque, para sabermos como estava evoluindo a dilatação, e, delicadamente, perguntou se eu me incomodaria de irmos até o quarto, para que ela pudesse me examinar deitada... Mas eu não podia nem pensar em sair do banheiro, muito menos em deitar, e ela, perfeita no seu papel de me apoiar e evitar me incomodar ao máximo, se desdobrou para fazer o toque comigo sentada na banqueta de cócoras (foi o único, em todo o TP). Ela não precisou a dilatação, apenas disse que estava bem perto, que ela havia tocado a cabeça do bebê.

Depois disso, ela manteve-se absolutamente discreta, fazendo seu trabalho nos bastidores: preparando tudo para receber nosso filhote no banheiro, percebendo que todas as roupinhas e touquinhas do caio estavam molhadas e se organizando com a Vânia para secá-las com o ferro, preparando o quarto para nos receber após o parto... A Vânia se dividia entre ajudá-la, me massagear, trazer comida e, sem eu nem perceber, tirar fotos e filmar ao menos a reta final do parto, quando a bateria da máquina já tinha carregado um pouco (se não fosse ela não teríamos nenhuma imagem desse dia tão especial!). Enquanto isso, as contrações vinham como ondas que me inundavam, que me tiravam de órbita, e em seguida um relaxamento absoluto. Lembro de ter me focado muito na minha respiração, como tinha aprendido ao longo das práticas de yoga, o que me ajudou muito a suportar as avalanches de dor e também a relaxar entre elas. Em dois momentos me senti um pouco fraca, e com fome, e Vânia e Dani se revezaram para me atender com sucos e frutas, que eu mal conseguia comer (os líquidos caíam bem melhor). 

doula paciente parteira porreta
doula e parteira se revezando nos cuidados comigo
Uma das coisas de que me lembro bem é de ter gritado bastante! Lembro que eu comecei a gritar, minhas cachorras começaram a uivar, e de repente todos os cachorros do bairro estavam latindo e uivando... foi um momento cômico, nem eu me aguentei e caí na risada. Mas logo voltei pra partolândia, já estava em um ponto em que as dores atingiram um pico incrível, eu me pendurava no pescoço do Dani para me apoiar e aguentar as fortes ondas, as contrações cada vez mais próximas umas das outras. Nesse momento, até a água, que até então tinha sido meu alívio, começou a incomodar: eu sentia as gotas como que pinicando minha lombar, e pedi para desligarem o chuveiro. 

apoio
Dani me apoiou física e emocionalmente, o tempo todo
parir junto

De repente, a vontade incrível de fazer força: lembro que perguntei se eu já podia fazer, e a resposta de Jamile foi: se você está com vontade, pode fazer. Foi muito bom ter autonomia total nessa hora, sem ninguém pra me dizer o que fazer (tipo: “faz força, fica assim, assado”...) - eu perguntava o que tinha dúvida, e a Jamile ia me orientando. Em algum momento, já na reta final do expulsivo, ela sugeriu que eu sentasse na banqueta de cócoras, pois eu já estava bem cansada (e Dani com as costas arrebentadas! Rá!). Foi incrível ver como o meu corpo sabia o que tinha que ser feito, sem pieguice: a vontade de fazer força veio, e já era hora de nascer. Jamile perguntou se eu queria ver a cabeça saindo, preferi não ver (depois me arrependi um pouco), mas toquei e foi uma sensação indescritível, misto de emoção e aflição. A percepção de que em muito pouco tempo meu bebê teria completado a passagem para o lado de cá da barriga me encheu de força pra seguir ajudando-o, apesar daquela sensação de que algo estava me partindo ao meio! 
    
Depois da descida do bebê, essa sensação passou, restou uma queimação (o tal círculo de fogo, imagino, tão comentado nos relatos de parto) e, em algumas contrações meu bebê nasceu: na primeira, a cabeça. Depois de algumas, o corpinho! Eu mal podia acreditar... Jamile o amparou, colocou uma touquinha e uma mantinha aquecida em torno dele e o colocou no meu colo imediatamente. Eu realmente não conseguia acreditar que ele já estava ali... fiquei meio embasbacada... mas, ao contrário do que imaginava, eu não chorei: fiquei ali, grudadinha com ele, sentindo aquele cheiro delicioso que jamais esquecerei. Dani nos olhava completamente emocionado, rindo e chorando ao mesmo tempo.  

sem palavras...
nossos primeiros instantes juntos
Tentei colocar ele no seio, mas ele não quis; Jamile e Vânia disseram que era normal, que no tempo dele ele iria mamar. Elas me ajudaram a levantar da banqueta, me enrolaram numa toalha, e eu segui com ele no colo, ainda ligados pelo cordão umbilical, até meu quarto. Jamile e Vânia já tinham preparado tudo, forrado a cama, separado a roupinha, organizado o material que iriam precisar. Deitei na cama com ele sobre meu peito e logo ele começou a mamar, como se sempre tivesse feito aquilo, sem brincadeira. Dani cortou o cordão umbilical depois que parou de pulsar. Mamou um pouco, depois parou, nos olhamos e eu disse: “Filho, você acredita que você já nasceu? A mamãe não tá acreditando ainda!”. Ficamos ali deitadinhos, Dani a nos olhar, Jamile e Vânia saíram um pouco para nos deixar curtir sozinhos aquele momento tão especial. Nos emocionamos demais!

Até esse momento, ainda não tínhamos decidido o nome, estávamos entre Téo e Caio (a história da decisão, aqui). Quando Jamile voltou, para acompanhar a expulsão da placenta e verificar a laceração no períneo, Dani pegou o bebê para que eu pudesse me concentrar na finalização do processo. A expulsão da placenta foi uma parte bem desagradável, já que eu não tinha me preparado para aquilo, não sabia que eu continuaria a sentir contrações, que teria que fazer força para expulsá-la... Eu relaxei tanto depois do parto, que a placenta simplesmente não saía... Ficamos cerca de 1 hora nessa etapa, Dani ia e vinha com o bebê, eu tentava fazer força, Jamile me massageava, fez acupuntura, até que pedi um apoio para os pés (eu estava deitada, talvez, se estivesse de pé, fosse mais fácil), fiz força e ela saiu inteira, ainda bem! Não pensamos em fazer nada com ela, e foi descartada. Em seguida, Jamile suturou a laceração, o que também foi bem chatinho, e novamente ficamos só eu, Dani e Caio, agora já com nome.

pai babão
papai apaixonado
amamentação já! 1
amamentação na primeira meia hora, com ajuda da doula e da parteira


parir em casa 2
primeiros cuidados em nossa cama...
 Enquanto ficamos nós três curtindo, Jamile e Vânia foram para a cozinha e prepararam um delicioso caldinho de feijão (a única coisa que conseguiram fazer com o que tinha em casa, pois estávamos desprovidos, o supermercado seria feito no dia seguinte...), que comi na cama mesmo, como se não houvesse amanhã! Foi perfeito. Enquanto eu comia, Dani e Vânia ajudavam Jamile a pesar e medir o bebê, e o vestiram. Apenas quando tudo estava feito, limpo e tranquilo, é que elas foram embora, às 7 da manhã!!! Nessa hora, nossa ajudante estava chegando, e quase caiu para trás ao saber que nosso bebê já tinha nascido, e em casa. Deitamos os três na nossa cama, e dormimos deliciosamente até quase 11 da manhã, quando levantamos e começamos a ligar para avisar familiares e amigos do nascimento de Caio. Nada como parir em nossa própria casa, do nosso jeito, com nossas coisas, e receber as visitas nesse clima delicioso! 

 ****************** 

Caio nasceu às 4:18 do dia 07 de abril de 2008, pesando 2.820kg, medindo 49cm e recebeu apgar 10/10. Não recebeu nenhuma medicação e não sofreu nenhum procedimento invasivo. Esteve junto a mim ou ao pai durante todo o tempo desde o primeiro minuto de sua vida. Nasceu "sorrindo", como acredito que todo nascimento deveria acontecer.

*******************

Agradeço a todos os envolvidos direta ou indiretamente para que nosso parto, o nascimento do Caio, nosso nascimento enquanto pais pudessem ocorrer da forma como acreditamos e desejamos! Muito obrigada, mesmo! E, especialmente ao Caio, por ter nos proporcionado a maior experiência de nossas vidas.

26 comentários - clique aqui para comentar:

Vivian disse...

Meu Deus, que incrível! Nada como um parto em casa, que maravilhoso! O relato mais lindo que já li...
Conheci seu blog hj e já dou de cara com um post tão emocionante!

Bjos

Ivna Pinna disse...

Thaís, só um minutinho que tenho que secar as lágrimas! Que relato lindo!
Foi emocionante pra mim, imagino pra vcs...
Parabéns!

beijos

Rô! - @robertarez disse...

Óuunn, valeu a espera! Relato lindo *.*... muita coragem e força da família inteira.
Esperando o do Nuno agora! rsrs... tem previsão? rsrsrsrs

Ilana disse...

Lágrimas estão rolando por aqui, Thais...
Que parto mais lindo! Tão cheio de amor, de carinho, de respeito...
Uma forma incrivelmente bela de se vir ao mundo, e de se tornar mãe e pai.
Beijo

Lia disse...

"minha lembrança é toda feita de flashes, não tenho muita noção do tempo que as coisas levaram para acontecer, nem da sequência exata entre elas..."
Escrevi palavras parecidas no meu relato. Tudo fica meio enevoado na nossa cabeça.
Adorei a história dos cachorros uivando, super selvagem! ;)
Sobre o chuveiro: uma das parteiras do Hanami (Floripa) disse que não há contraindicações pro chuveiro. Você pode entrar a qualquer momento do TP e ficar o tempo que quiser. A água tb pode ser pelando, não tem problema. Ela disse que o único cuidado é com uma possível queda de pressão por causa da fumaça, então ela recomenda deixar uma janela ou a porta entreaberta.
E adorei seu comentário sobre o strepto. Fiz lavagem com clerexidina, mas não deu tempo de fazer direito. Como minha bolsa rompeu poucos minutos antes de Margarida nascer, nem me preocupei depois. Minha parteira disse o seguinte: "tá todo mundo perdido com esse negócio de strepto". Segundo ela, os protocolos são confusos, como se ninguém soubesse ainda o que fazer.

micheliny verunschk disse...

Lindo o seu relato, Thaís. É engraçado, parece comum que toda mulher prestes a parir tenha faniquitos de arrumação. Acho que é instinto. Sabe, hora antes de entrar no TP da Nina a minha cachorrinha ficou estranhíssima, correndo de um lado pra outra feeito louca, o tempo todo ao meu lado, montando guarda (nada típico dela). Quando a bolsa estourou ela acalmou e só voltou a latir depois que a Ninoca nasceu... Foi uma coisa bem de matilha, sabe? Beijocas!

Sarah disse...

Thais, que emocionante... e que riqueza de detalhes, mesmo tanto tempo depois! E que incrível vc ter conseguido o parto como queria já na primeira vez. Parabéns, parabéns...
E que venha o relato do Nuno! :P
bjos!

Dani Garbellini disse...

Thaís, querida! A gestação do relato pode ter sido longa, mas o resultado é incrível.
Quanta riqueza de detalhes. E que bela história!
Essa sensação de saber que nossos filhos nasceram sorrindo é boa demais, né?
Agora espero que o relato do Nuno não demore três anos também. rs

Beijão!

Paloma, a mãe disse...

Lindo relato, Thaís!
Acabou que, para quem estava sem muita noção de tempo e espaço, vc lembrou muito bem dos detalhes (imagino que com a ajuda do marido, é claro)!
Adorei, adorei!
Parabéns pela força e por ter ousado ser uma supermãe para o Caio desde o início.
Beijos

Fabiana Alvim disse...

Que relato sensacional! Tão rico e tão bem escrito. Emocionante!! Parabéns pela força e consciência em todo o caminho que fizeram.
Agora.. e o Nuno??? Como foi?! Curiosidade matando!rsrs
Beijos

Buena Leche disse...

Lindo nascimento, linda história para a vida de todos vocês, e essas duas companheiras que atenderam você nham nham, umas fofas.

Cláudia

Izabel disse...

Parabéns pelo relato, parabéns parto!
Muito lindo e emocionante.
Beijos

Ivana - coisademae disse...

Nossa Thaís, eu comecei ler o primeiro post e não consegui parar mais, a emoção tomou conta de mim e fiquei me lembrando do nascimento de meus três filhos... eu tô sem palavras, nem sei o que lhe dizer. Você foi tão forte, tão corajosa, correu atrás de informações, teve o apoio de seu marido, viveram esse momento de forma tão consciente...que coisa mais linda, que maravilha!

Pode ter certeza de que muitas mães que esperam a chegada de seus filhos vão se emocionar com seu relato e refletir sobre as possibilidades que a vida nos dá (e que são caminhos naturais) e que às vezes não damos conta ou não enxergamos.

Parabéns querida, emocionante demais! Usando as suas palavras, tô meio "embasbacada"!

Bjos!

Gaby disse...

Será que tenho a sua coragem?

Você é muito brava e corajosa. Meus parabéns, voce merece!

Sua estória está linda!

Quero MUITO ter a sua força.

Avassaladora disse...

Nossa, Thais, tô aqui chorando horrores, adorei o relato!!!
Parabéns pelo seu protagonismo em tudo isso!!!

Celina disse...

Muito lindo o relato. Ultimamente, não estou tendo muito tempo para dedicar a leitura dos blogs. Então, fui lendo devagarinho, um pouquinho por dia. E cada vez que tinha que parar de ler, ficava ansiosa pra saber o resto da história.
Deixa eu aproveitar pra satisfazer a tua curiosidade: dessa vez, quem está fazendo o doutorado é meu marido. Eu deixei tudo lá no Brasil e estou cuidando dos filhos em tempo integral. Se eu tenho talento pra pesquisa? Já tenho minhas dúvidas. Depois de virar mãe até meus talentos mudaram.

gravidez: milagre da vida disse...

Já eu não me contive... li todo o relato em um piscar de olhos. Há quase um ano, tive um parto normal na maternidade. A Duda nasceu 45 minutos após eu sair de casa. Eu cheguei com dilatação total e não tive tempo de tomar anestesia (mas tive uma local), embora esse não fosse o meu plano. Tudo aconteceu em menos de 24 horas, a minha bolsa não rompeu e o tampão mucoso foi sair perto da hora da Duda nascer. Algumas pessoas me disseram que ela poderia ter nascido em casa ou a caminho da maternidade, mas isso também não estava nos meus planos... Eu admiro muito você pela sua determinação em ter um parto domiciliar! Juliana. http://milagredagravidez.blogspot.com/2010/10/e-o-milagre-se-transforma-em-nascimento.html (relato do meu parto).

Mãe ComCiência disse...

Nossa, quase me arrependi de ter tido meu bb no hospital depois do seu relato... emocinante!! Mas acho que não teria seu controle e sua maturidade. Você é muito guerreira! Bjs

Patrícia Boudakian disse...

Lindo relato, querida. Revivi meu parto e me orgulho muito de ter parido em casa. É indescritível. Acho que não teria me entregado tanto se estivesse em outro ambiente.

Beijos

Ananda Etges disse...

Oi Thaís!

Acompanhei as partes anteriores do relato ansiosa pelo que estava por vir. Fiquei extremamente emocionada! Foi um parto lindo! Parabéns!
Agora quero ler o relato do Nuno, hein?

Beijos, Ananda.

http://projetodemae.wordpress.com/

Mariana Della Barba disse...

Coisa mais linda esse relato, Thaís. De verdade, muito emocionante!
Parabéns pela força. Tenho certeza que se um dia o Caio ler esse post ele vai ficar mega orgulhoso da supermãe dele!
bjins

Dany, Danielle disse...

Oie.
Vim conhecer seu blog e já estou seguindo para voltar mais vezes.
Uau, que relato lindo. Me emocionei com cada palavra.
Abraços,
Dany, Danielle
www.danydanielle.blogspot.com

Nine disse...

Ai, Thais, saio de viagem apenas com a primeira parte do seu relato e quando volto já tem a conclusão do seu e o da Lia! Maravilhoso!

Nem preciso dizer mais uma vez o quanto esperei por ler essa sua experiência, né? E valeu muito a espera, a sua história me inspirou, assim como me inspiram novas histórias todos os dias, e com elas vou montando a colchinha de retalhos do meu tão desejado parto domiciliar!

Beijos!
Nine

- Futura mãmã ! disse...

Para quem nao se lenbrava tenho-.lhe a dizer... adorei...tava a ler e sorrindo ao msmo tempo!! :D
Parabens pelo pequeno e lindo Caio *.*

Beijo e me visite..se gostar comente e torne.se seguidora ;D

Camí Espíndola disse...

QUE TUDOOO o seu relato *-* Eu também fui pega de surpresa e quando fui monitorar o tempo das contrações, elas já estavam de 5 em 5 minutos. Minha bolsa foi estourada no hospital. Às 7:20 eu pedi para tomar um banho, já que tinha estacionado nos 8 cm. Tomei um banho pelando que quase tirou meu couro.. hahahahaha, foi o tempo de voltar pra sala de pré-parto, receber o toque e me mandarem pra sala de parto. Às 7:35 meu bebezão nasceu *-* Que sensação indescritivel, não é? E detalhe, eu achei que fosse um alarme falso, fui toda despreparada, sem mala de roupas, sem a mala do Augusto.. hahahaha meu Deus, só de lembrar tenho calafrios :))

Adorei aqui! Beeeijos no Caio :*

Ana Paula - Journal de Béatrice disse...

Thais,
So agora consegui ler o seu relato de parto na integra, ou melhor, fiz isso durante a semana, entre uma interrupção ou outra. E olha, chegar ao final sem conter as lagrimas foi algo dificil viu? A sua determinação, seu instinto, a sua busca de informações, o empoderamento. Tudo muito intenso, verdadeiro e no final o Caio "nasceu sorrindo" (tenho uma relação de amor com o livro de Léboyer) no aconchego do lar. Você Thais, me inspira.
Beijo grande querida.