domingo, 8 de julho de 2012

AINDA NÃO ANDA?

Ai, posso falar, cansei dessa pergunta. Nuno completa (APENAS) 1 ano e 2 meses semana que vem, provavelmente até lá já estará andando sem estender sua mãozinha para nós e eu vou ficar morrendo de saudade desse breve tempo em que ele esteve a descobrir como é se equilibrar em dois apoios, como é ver o mundo mais de cima... Mas a pressão pra ele andar tá terrível, não tem uma pessoa que não faça essa pergunta ao encontrá-lo.

Andei pensando e, para mim, esta pergunta está no mesmo balaio de outra (que ouvi muito quando Caio tinha a idade de Nuno agora, e que ninguém mais tem coragem de me perguntar, por já saber a resposta), a fatídica: Ainda mama? Um mesmo sentimento de fundo as motivam: o de que os bebês de 1 ano já tem que ser independentes, não podem mais mamar, já tem que saber andar, dormir a noite inteira e por aí afora....  Sério, quase me enredei nesse caminho: quem pergunta não o faz por maldade, eu sei (ou espero), mas por vezes não imagina que possa causar um dano ao processo mãe-bebê. De tanto me perguntarem se ele já andava, ou, ao contrário, de tanto se espantarem porque ele "ainda não anda", comecei a encucar, a forçar a barra, a passar do ponto no estímulo. E - ainda bem - percebi a tempo que estava caindo na armadilha, mas... quantas mães não percebem e ficam achando que seu filho está "atrasado", ou tem algum "problema"? 

O fato é que Nuno, por ser segundo filho, é super espertinho desde bem pequeno, e todos que o conhecem (até o pai) ficavam apostando que ele engatinharia super rápido, que ele andaria super rápido e tals. Mas ele é sossegadão, é observador pra caramba e, a cada nova descoberta e aprendizado, ele ficava um bom tempo até passar para a próxima: primeiro se arrastando pelo chão feito minhoca até conseguir engatinhar, depois engatinhando até virar um ás veloz, depois se apoiando e andando de ladinho até descobrir que podia pedir nossas mãos e sair por aí, depois com uma mão só até ficar craque e quase correr e, nas últimas semanas, ganhar segurança pra dar uns passinhos conscientes aqui e ali, sempre se garantindo que teria onde se apoiar caso algo acontecesse (imagine o frio na barriga dos bebês, gente! é toda uma aventura aprender a andar!) ou, cautelosamente, interrompendo a caminhada e se sentando no chão. Agora ele já vai mais pimpão de um ponto a outro sem apoio nenhum, mas ainda não está totalmente seguro de si, e temos que respeitar isso.

Nós seguimos incentivando, comemorando cada conquista, o ajudando a avançar um pouquinho a cada dia, mas sem aquela nóinha que pairou por aqui por uns tempos de que "tínhamos que estimular mais", ou de que "ele está com preguiça de andar", ou de ficar comparando com Caio ou outras crianças nessa idade. É duro admitir que me peguei nesse erro, mas fico feliz também de que tenha durado pouco, que eu tenha percebido a tempo. Mas, depois de interrompido o ciclo do "vamos estimulá-lo a andar a todo momento", a tal perguntinha passou a me irritar ainda mais: será que é tão difícil respeitar o tempo dos bebês, das crianças? Porque de agora em diante, nesse raciocínio, será uma sucessão de perguntas: "já fala?", "já corre?", "já pula?", "já sabe as letras? os números?", já já já já............................ Pobres crianças e pobres pais. Eu saltei fora dessa barca, e espero sinceramente que ela não me pegue nunca mais (porque já estava me pegando também no quesito "letras" e "desenho" do Caio, mas esse papo fica pra uma próxima vez).

E, apenas pra ficar registrado, foi a mãe de primeira que me habita que puxou a orelha da mãe de segunda que vos fala, lembrando da magia que é acompanhar uma criança aprendendo a andar (porque mãe de segunda tem esse risco, por não ter mais aquele olhar de novidade pra tudo o que o filho faz, acabar perdendo a beleza desses momentos tão importantes).

32 comentários - clique aqui para comentar:

Patrícia Boudakian disse...

eu to com pressa agora, mas preciso voltar com calma para comentar o que realmente quero neste post.

me aguarde, amada.

beijos!

Tatiana Carpes disse...

Oi, conheci teu blog hoje....
Minha filha completará 1 ano e dois meses dia 15 agora e ainda não anda tbm... ela dá sim alguns passinhos sozinha. Mas não se sente segura, engatinhar ainda é a preferencia dela.
Tem filhos de amigas minhas que começaram a andar aom 10/11 meses. Eu fiquei preocupada com isso tbm, assim como vc. Mas hoje, deixo rolar. Minha filha é super esperta, saudável pra caramba, e não tem motivo algum para ficar sem dormir com o desenvolvimento dela.
Acho que o uqe conta é que eles estão sempre progredindo, aprendendo coisas novas. E cada criança tem sim seu tempo.
Concordo plenamente contigo. Beijos. Tatiana.

Iolanda Lopes disse...

Ai meu Deus, as tais perguntas. Que saco, não é?
A Mi mamou até 2a2m, e ouvi até que isso não era normal,e olha que foi de uma dermatologista...
Cada criança tem seu tempo e pronto. Precisamos criar um banco de dados de respostas mal criadas... rs
http://verdadesdemae.blogspot.com

Dany disse...

Menina, isso é irritante!!!
Caio andou com 1 ano e 1 mês e a pressão era grande!!!
Percebi, com o tempo, que sua parte motora não acompanhava a dos colegas. Encuquei com isso, mas depois relaxei. Ele aprendeu a andar, a escrever, a falar, tudo no seu tempo. Agora, o maior desafio está sendo amarrar cadarço. Tá difícil. Mas, sabe, isso de achar que a criança é "doente" porque não consegue fazer isso ou aquilo está na moda. Eu tenho alunos que têm psicólogo, "aula" de psicomotricidade, fono... Tudo! Acho que isso tem mais a ver com as expectativas frustradas dos pais do que com algum problema da criança.

Barbara disse...

Ih, sei como é isso. Jonas chegou aos dois anos sem falar nada, e as pessoas na rua perguntando o nome dele, perguntando um monte de coisa.

Eu falava "pois é, pesquisei bastante e descobri que nao falar aos dois anos é perfeitamente normal" e pronto, a pessoa sossegava.

Nao andar aos 14 meses também é normal, às vezes é só uma questão de mostrar isso para a pessoa que ela vai ficar quieta.

Eu dizia "ele nao tem pressa nenhuma, tá mais interessado em fazer outras coisas." Certamente seu filho tem outros interesses mais urgentes do que andar :)

Gabriela disse...

É Thais, não é fácil lidar com a falta de paciência alheia.

Ainda não anda, não fala, ainda mama, ainda dorme no quarto dos pais... E a gente nem pode responder "E vc ainda não aprendeu a respeitar o tempo de cada um, a vida de cada um", porque daí, a gente é a grossa, a impaciente...

Que bom que o Nuno tem pais e um irmão pacientes e respeitadores do seu tempo.

Beijo

Dani Garbellini disse...

Tão difícil fugir dessa pressão, ne? Eu também às vezes me pego caindo na armadilha. Que raiva!
Mas veja pelo lado bom, você consegue perceber isto, tem tanta gente que não. E vira um problema sério de saúde, crianças sendo super diagnosticadas com pseudos doenças, pior, com aval dos profissionais e serviços de saúde. Tão triste e grave isso!
Mas tenta não se culpar, não se cobre perfeição. A grande sacada é permitir-se ver, rever, fazer, refazer, corrigir, sempre com consciência. Quem falou que era facil, ne?
Tomara que a gente consiga se ver sabado e trocar figurinhas.
Beijos!

Ananda Etges disse...

A pressão da vez aqui em casa com o Vítor é "ele ainda não fala?". Digo aqui em casa por ser da família, mas não é minha e do pai do Vítor. A gente acha que ele está ótimo, no ritmo dele, no tempo dele. Curtimos cada descoberta e isso que importa. Mas tbm ficamos super irritados com outras pessoas da família que ficam na cobrança pra ele começar a falar. Gente, ele tem 1 ano e 3 meses!!! Coisa chata, né? Mas o segredo é esse: se policiar pra não cair na mesma.

Beijos, Ananda.

Avassaladora disse...

Muito chatas essas comparações, realmente a gente "mãe de segunda" tende mesmo a deixar de lado a importância de cada conquista do segundinho, mas eles mesmo nos mostram seus momentos importantissimos de outro modo!

Gulli disse...

Thaís
De coração não se renda as cobranças da sociedade. Curta e entenda cada momento do seu filho, como ele já é segundo sabe que tudo passa rápido, daqui a pouco ele vai estar correndo com o irmão para todos os lados e você ficará com saudades dessas conquistas dele, virar, engatinhar, andar, falar, desfralde e assim por diante. Por mais que não seja por maldade(eu assim também espero...rsrs) a sociedade cobra e cobra demais por isso. Lara começou o processo de desfralde com 2 anos e 7 meses e a cobrança era insuportável, a ponto de até fazerem chantagem com ela, chama-la de boba só porque ainda usava fraldas. Peraí que tem que fazer isso sou eu, e e o pai que compramos as fraldas não estamos incomodados de comprar as fraldas e esperar seu momento, até que dei uma resposta para defender minha filha e mês passado Lara mostrou que estava preparada e eu, marido e ela demos inicio ao desfralde, detalhe sem contar pra ninguém, para ela ficar tranquila nesse novo aprendizado dela e sem cobranças.
Sobre a pequena de 2 meses a cobrança é....não vai furar a orelha. Meu Deus, ainda não tem nada pra cobrar sobre o desenvolvimento dela, as pessoas arrumam sobre o que cobrar, um dia estressado e depois de tanta cobrança, eu comprei pomada anestesiante e eu mesma tentei furar a orelha dela, até que ela chorou e eu acordei. Perai eu não vou ceder a sociedade, quando achar que devo furar vou furar...e não perturbem.
Pense assim, curta seus filhos e relaxe.
Ps: desculpe acabei desabafando também...rsrs
Mil beijos
Carla

Lia disse...

Ai, que saco, Taís!!
Engraçado, com a Margarida eu tenho bem menos pressa do que tinha com a Emília. Talvez porque o desenvolvimento delas é tão parecido que não estou tendo muitas surpresas. Também porque Margarida é pesadona e bebês pesados algumas vezes engatinham e andam mais tarde. Margarida engatinhou com 9 meses e 19 dias (Emília foi por aí também, talvez uma semana depois). E todos os bebês por aí engatinhando com 7...
Confesso que estimulei bastante a Margarida a engatinhar, mas foi por uma boa causa: como ela é bebê chiador, é importante exercitar a musculatura do tórax pra ajudar a expelir o ar nas crises respiratórias.
Além disso, meu marido e meus cunhados não engatinharam muito provavelmente porque viviam amarrados, no colo, e não conheciam chão. Então o estímulo que eu dei a ela foi basicamente deixá-la bastante no chão e permitir que ela tentasse pegar sozinha os brinquedos que estavam longes.
Mas que dá uma preguiça esses comentariozinhos, ai se dá...

Lia disse...

Aaah esqueci de te falar: outro dia perguntaram ao meu marido sobre a MArgarida: "ela ainda não anda?" Ele disse: "não, ela só tem 9 meses". E a pessoa respondeu: "preguiçosinha, né?"

Ilana disse...

Que coisa, hein?
O que eu não tenho é paciência pra esse povo sem paciência...
Raphael aqui só foi andar com 1 ano e 5 meses. Não porque ele era preguiçoso, como cansei de ouvir, mas pq amava o colo e o chão. E não é pra curtir mesmo ser um bebê?
Bjos

ana isabel disse...

Oi Thais

Aqui foi assim também. O Zezé só andou com um ano e quatro meses, sendo que a minha irma (tia dele) andou com dez meses. Escutei muita coisa da família, mas como tenho pediatra e na creche mesmo acompanhando ele, sempre me disseram que era normal. Desfralde? Só com trés anos e oito meses. Tive algumas tentativas antes, mas não deram certo e só deixavam ele mais inseguro. A pressão foi grande, mas com o tempo, as pessoas aprendem a respeitar nossas escolhas.

Recanto das Mamães Blogueiras disse...

Olá Thaís!
Essa pressão é mesmo irritante.
Cada criança tem o seu ritmo, seu temperamento e suas habilidades.
Nós adultos somos assim e queremos ser respeitados, então precisamos fazer isso com as crianças.
As pessoas ficam fazendo comparações com os nossos filhos e nem percebem como isso nos fere.
Querida, que Deus te dê muita sabedoria em tudo e a cada dia.
Um beijo... Equipe Recanto.

Aline Cortes disse...

Nossa, acho que a última frase do post foi a que mais me marcou: o lance de perdermos a magia das descobertas do segundo filho. Ainda estou no começo do primeiro, mas é algo muito sério a se pensar.
Cheguei aqui através da Naty Noguchi e adorei!
Como faço pra receber as atualizações por email?
Abraços,
Aline
www.decaronanacegonha.blogspot.com

Maura disse...

Detesto qndo ouço esse tipo de comentário!
Cada criança se desenvolve de sua ftorna e a seu tempo e comparações, na maior parte das vezes, em nada contribuem...
Bom, mas hj vim te convidar para participar de um concurso lá no meu blog e concorrer a um Kit de BRINQUEDOS da Xalingo: http://bit.ly/NwzCtR
um abç,
Maura
coisasdamaura.blogspot.com

zuleica disse...

Passei por isto também, 25 anos atrás,as bocas não mudam, mas as mães sim, que bom!
Li muitas coisas do blog, dei uma saracoteada no passado, curti e voltei feliz para presente. Bjos Zu

Marusia disse...

Thaís,
incrível ver seu post, eu que estou preparando um sobre as "competições" a que estamos sujeitas depois de ter filhos... Vou citar vc! (te mando o link).
Também havia lido um sobre ensinar bebês a ler e lembrei de você:
http://theparentinggig.com/2012/07/17/so-the-baby-cant-read/
Beijos, enjoy!
Marusia

Nine disse...

Oi, Thais! Que saudades daqui!

Olha, aqui não é diferente e esse seu texto tb me serviu para abrir o olho. Vc tem razão quando diz que os comentários dos outros nos contaminam. Eu fui contaminada assim quando o Pedro nasceu e tivemos problemas nos primeiros dias. Tentei me manter firme, mas a pressão de que a Ísis já era grande e tals me fez fazer e dizer coisas que hj não falaria/faria mais. Ainda bem que passou, Laura Gutman me ajudou e estamos aí caindo e levantando!

Outra coisa que vc fala é que a gente meio que perde mesmo a magia das descobertas com o segundinho, tadinho. Tudo que a ísis fazia era fotografado, festejado...e por vezes tenho a sensação de que o Pedro faz as coisinhas e não olhamos com os mesmos olhos. Pode ser a segunda vez para nós, mas é a primeira vez dele e isso é e deve sempre ser especial.

Sobre desenvolvimento, a Ísis sentou (imagine as perguntas) com mais de 7 meses, engatinhou com 9 meses passados e só foi andar com 1a3m passados tb...cada criança é uma, a gente sabe, todos sabem, mas parece que os outros sempre tem que comentar alguma coisa, e pior, quase nunca é um comentário agradável.

Muitos beijos!
Nine

Lugar de Mãe é Aqui disse...

É incrível como as pressões já começam desde cedo. As pessoas deveriam deixar as coisas fluírem. Ah, e adoramos o blog, quando puder visite o nosso também!www.lugardemaeeaqui.com

Vall disse...

ola minha filha fez 1 ano,e ainda nn anda sozinha,ela anda segurando nas coisas,nas grades do portao,no sofá,nas coisas que ela possa segurar,engateia,anda bem ,quando segura nas maoszinhas dela,mais tem medo de andar sozinha,devido as quedas que ela levou,qd andando pegada nas coisas ela se soltou e caiu cm a boquinha no chao e cortou!o ruim é ouvir das pessoas que ela nn anda,e as comparaçoes,ja ate fiquei preucupada!mais seja qd assim Deus quizer e ela!

Mãe ComCiência disse...

O pior nem sempre são as perguntas, mas as fórmulas. Já reparou que todo mundo tem sempre uma fórmula que faz a criança aprender tudo na mesma hora? Eu passei muito por isso quando estava começando a amamentar. Eu não sabia como era, era minha primeira filha, estava insegura e todo mundo que chegava tinha uma solução e enchia meu ouvido, quando na verdade a única coisa que eu queria era descobrir com minha filha o melhor jeito para nós duas. Mas certamente as pessoas tem boas intenções, querem ajudar e não percebem o quanto incomodam e atrapalham, mas o que vale é o que sentimos e devemos sempre respeitar o tempo de nossos filhos. Bjs

Katarina disse...

oi thais!! qto tempo!!!

pelo visto blog abandonado por uma mãe de 2 = eu??? rsrsr

o nuno deve estar escalando montanhaa já!!!

bjos

passei por aqui!!

@Paulississima disse...

é assim mesmo, né?
mas não deixe se levar pelas perguntas, se ele é sossegado, deixa ele, que um dia ele levanta e sai correndo husadhusa
a minha filha é única, mas eu to super tranquila quando a ela andar, vai fazer 1 ano dia 5 de novembro e tá dando seus primeiros passos sozinha e cai o tempo todo, mas sem forçar a barra...
beijos, adorei seu blog!
favoritarei
coisasdegravidas.blogspot.com

Patrícia França disse...

Nossa!!!! Como é bom ouvir relatos de pessoas que realmente pensam como eu. Passei e estou passando por tudo isso. Meu filho andou com 1 ano e 3 meses e me afligia muito essa pressão. Fui até pesquisar e vi o quanto o meu filho é normal e as crianças precoces demais são fruto dessa ansiedade desenfreada em que as pessoas andam ultimamente. Aí me muni de informações para ter base para responder. A amamentação é a mesma coisa. Ele tem 1 ano e 11 meses e as pessoas quase infartam quando vêem que ele "ainda" mama. Nesse ponto me enchi mesmo, parecia que eu é que era a pior mãe do mundo e não àquelas que fizeram com que os filhos parecem de mamar de forma arbitrária aos 9 meses, 10, enfim. Usei o facebook e postei o que o Ministério da Saúde propõe nesse sentido. Amamentação até os 2 anos de idade. E não aceito mais nenhum comentário: assim ele não desapega de você, ele é muito grudado pq mama. E quem disse que quero me desligar dele, afinal ele não é adolescente, nem adulto para tal comentário. É como vc postou. As pessoas acham que fez um ano são independentes e v tem que deixá-las, calma aí, tudo tem o seu tempo.
Ufa!!!!! Estou muito bem agora, pois encontrei mães de verdade!!!!

Bjs

Nine disse...

Thais! Como vc está? E os meninos? Estão bem? Espero que sim, vc sumiu! Ou fui eu, sei lá!
Apareça quando der!
Beijos em vcs!
Nine

Ananda Etges disse...

Ô dona Thaís! Saudades, viu? Beijos!

Isabela Kanupp (Kira!) disse...

É engraçado que geralmente essas perguntas não vem de quem terá de correr atrás da criança depois né?
Vivemos nessa pressa toda, tem de andar logo, desmamar logo, falar logo, contar até 100 logo. Pra que? É uma pressa para ser independente né?Não faz sentido algum

Beijo
www.parabeatriz.com

amigos das onze horas disse...

Venho sentido a mesma cobrança!Meu bebé tem também 14 meses e não anda e sinto muita pressão pelas pessoas à minha volta!
Eu acredito que quando nossos bebés estiverem prontos e com vontade de andar, assim o farão!
beijinhos

Meu Mundo Meu Quarto disse...

Amei o texto!

Se puder dá uma passadinha no meu e deixa um comentário?
Meu mundo, Meu quarto

stephanie disse...

Concordo e muito! Tipo, vamos começar a pressionar as pessoas assim, logo de cara, com 1 ano de idade? NÃO!!

Achei fofo o relato do seu filho, minha afilhada: ela está com um 1 ano e 2 meses, e já fica em pé, mas só em cima da cama e do sofá (no chão mesmo só com a mamãe cercando). Claro, ela não é boba nem nada, sabe que se cair na cama não vai doer nada!!!

E tem gente subestimando as crianças, quando na verdade elas estão aprendendo de forma consciente, conforme seu próprio tempo de desenvolvimento...

Esses pequenos são uma grande inspiração! Isso sim!