quinta-feira, 21 de junho de 2012

CENAS DE PARTO E POLÍTICAS DO CORPO

O sugestivo título desse post é, na verdade, o título de uma tese de doutorado que faz tempo que eu quero indicar, aqui, pra quem se interessa pelo debate sério sobre parto humanizado - "CENAS DE PARTO E POLÍTICAS DO CORPO: uma etnografia de experiências feministas de parto humanizado". A autora é Rosamaria Giatti Carneiro, uma grande amiga e intelectual engajada, que durante quatro anos mergulhou no universo de gestantes, parturientes, doulas, grupos de apoio, sites, redes e movimentos sobre gestação e parto humanizado, aproximando-se etnograficamente de "práticas femininas de parto humanizado dos anos 2000". 

Entre muitas outras questões, Rosa chama atenção, em sua tese, para algo fundamental a ser frisado nesse momento de visibilidade do debate sobre o direito à escolha do local de parto: a pluraridade de mulheres, de desejos e de escolhas envolvidas quando o assunto é parto humanizado. É o que ela destaca em matéria publicada no Jornal da Unicamp  em março desse ano, da qual extraí o trecho abaixo: 

Ao contrário de algumas premissas de que as adeptas do parto humanizado são necessariamente atraídas por um modelo de vida alternativo, para o qual são usadas expressões rotuladoras como “bicho grilo” ou “natureba”, Rosamaria esteve na companhia de bancárias, advogadas, artistas plásticas, estudantes, pós-graduandas, alto executivas, vegetarianas, evangélicas, católicas, umbandistas, adeptas da filosofia nova era. Entre elas, selecionou 18 trajetórias interessantes para sua pesquisa. Se elas eram tão plurais, tão diferentes entre si, como se aproximavam? A primeira resposta obtida por Rosamaria foi o mundo ciber. “Neste espaço acabam conhecendo outros grupos ou encontrando outras amigas que já tiveram esse tipo de parto. Têm listas de discussão. E eu participei dessas listas”, declara. Juntas, se organizam em passeatas, caminhadas, convocam reuniões, seminários. “E a coisa se dissemina”, avisa Rosamaria. 

A tese foi defendida em novembro do ano passado, no IFCH - Unicamp, sob orientação da professora Margareth Rago. Pra quem se interessou, segue uma palhinha do resumo (a tese completa pode ser baixada na biblioteca digital da Unicamp e, AQUI, uma matéria bem interessante sobre o assunto, com participação de Rosa e outros profissionais): 

Em tempos de recorde de cesáreas, um conjunto de mulheres tem optado por dar à luz da maneira "mais natural possível", prezando por suas sensações e suas emoções, em nome de um "parto que seja todo seu". Partindo do pressuposto de que o parto não é somente um ato médico e fisiológico, essas mulheres têm procurado escapar das rotinas de sua aceleração, no encalço do que consideram ser um enriquecimento de suas experiências de parturição. Dotadas desse desejo, parecem tecer outras concepções de saúde, de dor e de risco e, assim, criar outras políticas do corpo que pare. Diante disso, problematizo a presença de outros modos de subjetivação femininos a partir desse universo, no qual parece haver um outro corpo de mulher e uma outra figura de mãe, não mais edificados nas rígidas acepções modernas, criando, com isso, situações temáticas para o diálogo entre feministas e adeptas do parir diferentemente. 

Fica a dica.

2 comentários - clique aqui para comentar:

Lia disse...

Adorei! já estou baixando.

Jessica Nunes disse...

amei o blog e estou seguindo...

bjs

www.aminhagravidezs2.blogspot.com.br